Sexting e o sexo na quarentena

Você muito provavelmente já ouviu falar sobre sexting. O termo, que junta "sex" (sexo) e "texting" (mandar mensagens), é antigo e vem muito antes do envio das nudes pelo praticamente falecido Snapchat ou do Whatsapp. Como o próprio nome diz, a prática surgiu ainda quando o comum era mandar SMSs pelo celular, antes de outras redes sociais invadirem nosso dia a dia.


O fato é que, em época de quarentena e isolamento social, sexting tomou conta de vários tópicos de conversa. Desde relatos mais íntimos entre amigos até hipóteses de especialistas que estão estudando o comportamento humano nesse tempo tão atípico. E não é para menos: o aplicativo de namoro Happn afirmou que 31% dos seus usuários brasileiros praticaram sexting durante a quarentena. O mais doido é que de todos os entrevistados, 15% fizeram isso pela primeira vez enquanto confinados no isolamento social!


Mesmo falando tanto sobre o assunto, ainda existem algumas dúvidas. Sabemos, de fato, o que é sexting? E o por quê de fazermos? E, claro, como manter a segurança?


O que é sexting?


Pode parecer uma pergunta óbvia, mas acredite: você pode ter uma visão equivocada do que é sexting. Muitas pessoas acreditam que a prática não se resume a mensagens sensuais, do tipo "estou tirando sua calça", mas sim qualquer interação sexual no meio digital. Então, por exemplo, se você já mandou uma nude, você já praticou sexting.


Porém, ainda de acordo com a pesquisa do Happn, a maioria das pessoas (16%) usam a troca de mensagens como sua maneira de transar à distância. Logo depois, aparece o envio de fotos (10%), as famosas nudes, seguidas, enfim, por vídeos (5%). Essa preferência por texto em vez de imagens e principalmente vídeos faz todo o sentido se pensarmos em um ponto crucial do sexting: a segurança.


Muitos estão descobrindo o sexting na quarentena | Foto: Oxygen

Diversas pessoas, em sua grande maioria mulheres, são vítimas de vazamento de fotos e vídeos íntimos. E, pensando de maneira prática, se for para ter uma mensagem comprometedora sua vazada, melhor que seja apenas algumas palavras do que uma imagem de seu corpo, né? Mas vamos voltar a questão da segurança mais na frente.


O grande ponto é que pode ser ainda mais difícil se proteger no sexting durante a quarentena, já que algumas das "regras" mais conhecidas é trocar mensagens com pessoas de confiança, evitar fotos que mostrem o rosto, etc. Mas agora estamos carentes do contato físico, carentes de ver corpos alheios e nem sempre temos alguém conhecido para fazer essa troca.


E até mesmo quem está namorando, mas está de quarentena distante do parceiro, pode estar vindo a conhecer a prática só agora. E aí se depara com algumas questões: o que fazer? Como fazer? E quais cuidados para não se expor sem querer? Um exemplo bom para essa última pergunta, feito inclusive por quem namora já há um tempo, é optar pelo envio temporário. No Instagram é a famosa bombinha, que faz com que o conteúdo só possa ser visualizado uma única vez. Essa é uma forma de proteger, pelo menos superficialmente, sua intimidade.


Porém, é um mundo novo e não existem formas certas de se fazer o sexting. Como toda e qualquer prática sexual, cada um terá seu gosto, seus limites, suas preferências. A maneira que melhor funciona para você, só dá pra saber na prática.

Tudo isso é tão pessoal que até mesmo os motivos para fazer sexting são variados. Na quarentena (ou carentena, rs) a piada já vem pronta: as pessoas estão com tesão e sozinhas. Mas, será que o sexo em si e a satisfação do desejo sexual são os únicos motivos por trás do sexting? Pesquisas indicam que não.


Sexting: fazer ou não fazer?


Existem camadas no sexting, assim como qualquer outro hábito que envolve a psiquê humana. Mas, o encontro anual da Sociedade para o Estudo Científico da Sexualidade do ano passado buscou explorar algumas delas para desmitificar determinadas noções.


A primeira delas foi o motivo porquê as pessoas fazem sexting. O que pode parecer bastante óbvio, revelou um resultado interessante, comprovando, mais uma vez, que quando se trata da sexualidade humana, nada é óbvio.


Segundo os estudos existem três razões principais por trás da troca de material sexual via internet:

  • Satisfação do desejo sexual ou uma preliminar antes do ato em si;

  • Confirmação do interesse do parceiro (uma forma de reafirmar o status da relação);

  • Como uma maneira de conseguir algo específico do parceiro (ex: sair para jantar).

A conclusão, portanto é que 2/3 das motivações para o sexting não estão relacionados ao sexo em si, mas funcionando como uma ponte de conseguir um outro objetivo final: seja uma maior confiança no relacionamento ou um encontro especial.


Existem váaarios motivos por trás do sexting! Foto: Oxygen

A pesquisa, que não observou diferenças específicas entre casais heterossexuais e homossexuais só reitera que não há motivo correto para fazer algo. Ou seja, se você não necessariamente se sente excitada com o sexting, mas aumenta sua confiança ao mandar uma nude ou adora ler um comentário mais sexy do seu parceiro, tudo bem.


Pode ser também que algumas pessoas se sintam mais confortáveis em realizar fantasias sexuais por meio do sexting do que na relação física. E adivinha? Tudo bem da mesma forma. Ou, ainda, se você gosta de utilizar o sexting como uma forma de "testar" a química sexual com alguém antes de partir pro sexo corpo a corpo, vai fundo!


Resumindo: não existe motivo certo para se fazer sexting. Ele não é menos sexo do que o ato físico em si e pode fazer com que pessoas troquem mais intimidade do que muita transa "ao vivo". Se existe, de fato, uma regra quando se trata de sexting, elas são super simples: saiba seus limites, sinta-se livre pra gostar (ou não gostar) do que quiser, não se julgue e, claro, se proteja.


Sexting com segurança


O único objetivo desse tópico é dar dicas de segurança para quem está iniciando no sexting e ainda tem muito medo. Com uma mistura de experiência própria e pesquisa para esse texto, juntei alguns cuidados bem básicos que você pode ter na hora da prática.


O propósito é apenas aumentar a segurança e a confiança, fazendo com que o próprio sexting em si seja mais gostoso!


1) No caso de nudes: opte por redes sociais que permitam apenas uma visualização da foto, como Instagram, ou que notifique caso o usuário tire print da mensagem, como o Snapchat.


2) Ainda no tópico de fotos, se você não conhece muito bem a pessoa, evite mostrar o rosto ou alguma "marca registrada" sua, como tatuagens ou pintas. Uma outra opção é inserir emojis ou outras figuras no rosto - para esconder a identidade, sem se preocupar com isso na hora de tirar a foto.


A regra principal é se sentir bem durante o sexting!

3) Nunca se sinta obrigada a fazer nada que não queira. Um "não quero, não me sinto confortável com isso" deve bastar. Caso ao contrário, pode ser um sinal que a pessoa não merece seu tempo.


4) Não esqueça do dialogo. Em qualquer relação sexual é essencial que haja uma conversa. Assim, é possível saber o que a pessoa gosta, se ela está afim disso no momento e se vocês têm química suficiente pro ato ser bom para todos os envolvidos.


5) Por fim, sinta-se livre para se sentir sensual. Não tem nada mais limitante do que o medo de se sentir sexy, mas, infelizmente, é super comum entre mulheres. Procure um espaço seguro e se solte, sinta-se bem com seu corpo, suas poses e suas mensagens.


Com cuidado e segurança, todo mundo transa - até na quarentena!


___


Já pensou como a vida seria muito mais simples se a gente falasse mais sobre alguns tabus? Esse é um dos objetivos da categoria 'Taburóloga', que conta com textos quinzenais!