Mana do Mês de outubro: Fernanda Montenegro | Parte 2: seis personagens inesquecíveis

Com 91 anos recém-completados, Fernanda Montenegro, a nossa Mana do Mês de outubro, dispensa apresentações. Dona e proprietária de vários personagens marcantes, a história de Dona Fernanda se confunde com grandes marcos importantes da história da teledramaturgia, cinema e teatro brasileiro.


Depois de um post super especial contando mais sobre a trajetória da atriz, desde o seu nascimento até a sua indicação ao Oscar de Melhor Atriz e momentos que ela mostrou que idade não é motivo para ter mente fechada, chegou a hora de conhecer um pouco mais sobre os personagens interpretados pela artista que marcaram gerações.


Leia mais: Mana do Mês de outubro: Fernanda Montenegro | Parte 1



Charlô - Guerra dos Sexos (1983)


A novela, que teve direção de Guel Arraes e Jorge Fernando, tem uma das cenas mais icônicas da TV Brasileira. Quem não se lembra da guerra de comida protagonizada por Charlô e Bimbo? A versão original da novela contava com Fernanda Montenegro no papel principal e conquistou a audiência na época. A história girava na briga entre ela e seu maior rival, Bimbo, por uma grande herança. Um remake do sucesso foi gravado e reexibido na Rede Globo em 2012.


Dora - Central do Brasil (1998)


É impossível falar de Fernanda Montenegro e não relembrar o papel que rendeu a primeira indicação de uma brasileiro à Categoria de Melhor Atriz no Oscar. Em Central do Brasil Dona Fernanda interpreta Dora, uma professora aposentada que usa seu tempo para escrever cartas por pessoas analfabetas na estação Central do Brasil. O longa, que rendeu troféus em grandes premiações como o Urso de Prata do Festival de Berlim, ganhou notoriedade mundial e, muito disso, graças a interpretação marcante da artista.


Virgem Maria - O Auto da Compadecida (2000)


Um clássico do cinema brasileiro que faz parte do imaginário de toda uma nação. A história, eternizada pelos atores Matheus Nachtergaele (João Grilo) e Selton Mello (Chicó), tem a presença marcante da nossa homenageada no papel de Virgem Maria. Além de uma caracterização para ninguém colocar defeito, Fernanda entrega toda a sutileza e cautela que o papel pedia fazendo com que sua imagem ficasse sempre eternizada em nossas memórias.


Bia Falcão - Belíssima (2005)



Se tem um personagem da Dona Fernanda mais distante de Virgem Maria do que a vilã Bia Falcão eu desconheço. Autora de frases marcantes, como a inesquecível “Pobreza pega!”, a personagem se tornou a queridinha dos telespectadores. O sucesso foi tanto que Bia ganhou um novo final, bem menos trágico do que a morte prevista por Silvio de Abreu, e ao final da novela fugiu bela e plena na companhia de Mateus (Cauã Reymond).


Dona Picucha - Doce de Mãe (2012)


Sem saber que era possível, Dona Fernanda foi lá e ganhou o Emmy Internacional de Melhor Atriz com o especial de final de ano da Rede Globo “Doce de Mãe”. Interpretando a irreverente Dona Picucha, cujo único desejo no final de ano era ver toda a família reunida, nossa homenageada entregou um show de atuação e conquistou o público de forma geral. O especial voltou, dois anos mais tarde, como um seriado e trouxe mais história dessas personagem que guardamos com tanto carinho.


Eurídice - A Vida Invisível (2019)


Por último, mas não menos importante, um dos últimos trabalhos lançados que contam a presença ilustre de Fernanda Montenegro. “A Vida Invisível”, longa que esteve na corrida para o Oscar no ano passado, é uma adaptação do livro “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão” (2016), de Martha Batalha. Contando a história de duas irmãs separadas ainda jovens, o filme tem uma carga dramática muito forte e Dona Fernanda brilha do papel de Eurídice.



Cinco personagens são, com certeza, pouco para demonstrar a importância que Dona Fernanda Montenegro tem para a cultura nacional. Nós só temos o que agradecer à esta grande artista que encanta dentro e fora dos palcos.


____



“Mana do mês” é a personalidade feminina influente escolhida para ser homenageada pelo Telas. Todo mês uma mulher importante e relevante é selecionada para contarmos sua história e legado.