top of page

Crítica: Todo brasileiro precisa assistir 'Marte Um' em 2022

Quanto vale um sonho? Algumas pessoas podem dizer que eles não têm valor e que merecem ser vividos a todo custo. Mas, para grande parte da população brasileira, os sonhos são só algo que eles precisam batalhar todos os dias para nunca alcançar. Esse, para mim, é o tema central de Marte Um (2022). O longa, dirigido pelo mineiro Gabriel Martins, é o escolhido pela Academia Brasileira de Cinema para representar o Brasil na briga pela indicação de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar.


Rodado em Contagem e Belo Horizonte, o filme é mais uma produção da Filmes de Plástico, empresa fundada na região e mostra a história de Deivinho, um jovem de família pobre que deseja se tornar astrofísico e participar da Marte Um, expedição levará astronautas para povoar o planeta Marte em 2030.



Mas a história não se restringe a isso. O filme dá vida a todos os membros da família Martins. Tércia, matriarca da família, trabalha fazendo faxinas e depois de passar por uma pegadinha de programa de TV passa por episódios de ataque de pânico e começa a achar que pode estar trazendo má sorte para a sua família. Wellington é o pai. Porteiro de um prédio de classe alta em Belo Horizonte, ele vive com a esperança de que seu filho se torne jogador de futebol. Sonho este que não é compartilhado pelo jovem. Eunice, a filha mais velha, faz direito em uma faculdade pública e começa a construir o sonho de ir morar com a sua namorada.


Em meio a tantas vontades represadas e sonho ainda ainda vividos, a família segue a sua rotina e lida com os problemas do cotidiano em um Brasil que tinha acabado de eleger um governo de extrema direita. Mas isso não precisa ser dito, e nem é. A violência, o desamparo, o desemprego são informações que vão sendo pinceladas nos diálogos, nas ações e nos medos de cada personagem. O holofote central aponta para as ambições e as perspectivas de uma família comum de Contagem.


Representatividade em cada detalhe


A família Martins é preta. Mãe, pai, filha mais velha e filho mais novo. Mas a representatividade não para por aí. O filme trata de trazer atores pretos para interpretar professores, cantores, amigos e interesses amorosos. Em certo ponto, você se surpreende. Não é comum ver isso nos filmes, sejam brasileiros ou não. E nisso, Marte Um brilha lindamente.



Além disso, o filme também traz para a frente das câmeras uma região que pouco é representada nas telas. Belo Horizonte e o seu entorno, como Contagem, Betim, Nova Lima e outras cidades que fazem parte da Região Metropolitana, não são o centro da produção audiovisual do Brasil. Esse é um ponto que a Filmes de Plástico tenta mudar. E está conseguindo.


Deivinho e Eunice


Eu serei completamente parcial ao falar desses dois. Para mim, a relação de irmãos construída no filme é uma das mais reais que já vi. Como irmã mais velha, pude ver Eunice tentando realizar os sonhos do seu irmão com seu salário de professora de reforço. Ver ela abraçar o sonho mais verdadeiro de Deivinho e fazer ele se tornar uma realidade possível foi uma das coisas que mais me emocionou no filme.


Mas a relação deles é mais do que isso. Ele é a primeira pessoa para quem Eunice conta que está se relacionando com uma menina e ela é a primeira pessoa para quem Deivinho conta que quer estar na expedição Marte Um. Eles crescem juntos, como família, mas também como indivíduos que se entendem. E essa é uma das coisas mais bonitas do filme.


O Oscar vem aí?


É inegável que o filme tenha os requisitos para chegar e brilhar na premiação. Marte Um é verdadeiro, é sincero e mostra o Brasil de verdade de forma sutil. A direção brilhou, o roteiro é bem construído e o filme é bonito de se ver. Porém, a gente sabe bem que o Oscar tem muito mais a ver com campanha e dinheiro do que com qualidade (vide Green Book levando Melhor Filme em 2019). A nossa torcida, com certeza, está com o filme. E, bem, sonhar nunca é demais.



Você pode ajudar nessa campanha indo ao cinema assistir o filme. Ele ainda está disponível em várias salas ao redor do Brasil. A gente garante que você não vai se arrepender.



____


Quer saber nossas impressões sobre diversas obras das mulheres na cultura? Cinema, música, literatura, teatro e muito mais. Tudo isso na categoria “Crítica”.

Comments


bottom of page