Crítica: 'On My Block' é a série que a Netflix precisava

Se você ainda não conhece a incrível On My Block, produção original da Netflix, não sabe o que está perdendo. Criada por Lauren Iungerich, Eddie Gonzalez e Jeremy Haft a série estreou em 2018 na plataforma de streaming, lançando sua terceira (e talvez última) temporada em 11 de março de 2020.


Muito mais do que uma típica história adolescente, On My Block nos apresenta quatro jovens: Monsie Finnie (Sierra Capri), Cesar Diaz (Diego Tinoco), Ruby Martinez (Jason Genao) e Jamal Turner (Brett Gray).


O grupo vive em um bairro marginalizado de Los Angeles e, no meio de brigas de gangues, chefes de tráfico e violência policial, tentam lidar com problemas comuns da rotina de qualquer adolescente, como a formação da sua identidade, sexo e discussões com os amigos.


Por que On My Block é tão importante?


O elenco principal é formado por dois personagens negros e dois de fortes origens latinas, portanto, são grupos extremamente excluídos da política padrão americana. E a forma como essa exclusão afeta os jovens é muito clara.


O grupo de amigos tem constantemente sua rotina de estudos e saídas interrompidas por brigas entre facções e violência urbana, além de se sentirem constantemente afastados da classe média branca. O elo dos quatro com as gangues é ainda mais próximo do que o resto do bairro, já que Cesar é irmão de Oscar, que lidera uma das facções.


Monsie, que vive uma relação vai-e-vem com Cesar, tenta ser a cola que mantém o grupo junto, apesar de todas as complicações que vivem. Porém, a própria menina tem seus conflitos internos, já que foi abandonada pela mãe ainda nova, seu pai vive viajando a trabalho e tem uma certa dificuldade em manter amizades com outras meninas, já que, na sua vida, a presença masculina sempre foi mais forte.


Da esquerda para direita: Ruby, Jamal, Monsie e Cesar | Foto: Divulgação

Já Cesar é o exemplo perfeito de que a vontade de estudar, conseguir um emprego e construir uma família nem sempre é suficiente. Apesar dos seus esforços, o menino se vê constantemente empurrado para as confusões dos Santos - a gangue que seu irmão faz parte e que, por muitos anos, foi a única família dos meninos.


Além disso, Ruby e Jamal são um show a parte. Os melhores amigos têm personalidades bem distintas, mas muito complementares. Jamal é escandaloso e catastrófico, já Ruby é metódico e mais controlado. Porém, os dois costumam liderar os planos mirabolantes do grupo, além de sempre renderem as melhores cenas cômicas. Jason e Brett, responsáveis por trazer os personagens à vida, são provavelmente os melhores atores da série - brilhando em diversas cenas, desde as mais hilárias até as mais tristes de todo enredo.


Por fim, alguns personagens coadjuvantes são essenciais para construir a atmosfera da série. A abuelita de Ruby, interpretada por Peggy Blow, é um exemplo disso. A avó materna do menino sempre os auxilia em confusões, até mesmo naquelas em que todos correm risco de vida. Também é uma das personagens com menos tabus, falando abertamente sobre sua vida sexual, apesar da idade.


Jessica Marie Garcia interpreta Jasmin | Foto: Divulgação

Jasmin (Jessica Marie Garcia), uma amiga um pouco mais distante do grupo, também é uma peça fundamental no quebra cabeça. A menina, que é bem mais alta e gorda, esbanja autoconfiança e muita animação - o que pode causar estranhamento a princípio. Muitas vezes ela é considerada chata e irritante, mas a cada fala dela, é possível perceber a importância de Jasmin para série. Em um momento na terceira temporada ela afirma que muitos não vão amá-la ao longo da vida e, por isso, ela tem que se amar ainda mais. Incrível!



Os casais da série


Assim como uma boa série adolescente, On My Block tem casais que fazem todos os amantes de comédia romântica se derreterem.


O foco é, definitivamente, Cesar e Monsie. O casal de amigos que acaba se apaixonando conquista shippers e deixa muitos torcendo por eles. A dupla de atores tem muita química, apesar de algumas atuações de Diego Tinoco,intérprete de Cesar, que deixam a desejar.


Monsie e Cesar - o casal principal | Foto: Divulgação

Mas, apesar de serem o casal com o maior destaque no enredo, as confusões exageradas à la Ryan e Marissa, de The O.C, podem cansar algumas vezes. Por sorte, alguns outros pares românticos vão surgindo na série - principalmente na 3ª temporada.


O bom da história é que a amizade de Monsie e Cesar com o grupo permanece apesar de qualquer envolvimento amoroso dos dois. Isso permite que a narrativa continue de forma interessante, mesmo nas fases em que o casal está separado.


Por outro lado, Ruby é um personagem com claros problemas amorosos. Apaixonado platonicamente por Olivia na primeira temporada, o que o menino mais quer é encontrar alguém para ter uma relação. E conseguimos ver essa evolução brilhantemente ao longo da série, principalmente com a maior presença de Jasmin - já que a menina é declaradamente apaixonada por Ruby, mesmo que o garoto só a veja como amiga.



A 3ª temporada é o final da série?


Quem já acompanha On My Block está acostumado com os cliffhangers da série. Tanto a primeira quanto a segunda fase terminam em um momento de clímax do enredo, deixando grandes perguntas a serem respondidas. Essas questões costumam ser bem pontuais e os roteiristas conseguem respondê-las com certa rapidez na temporada seguinte.


Mas o que acontece com o final da 3ª temporada é um pouco diferente. Porém, antes de mais nada, é importante dizer que o texto tem SPOILERS A SEGUIR.


Diferente da 1ª e da 2ª temporada - que terminam com um tiroteio e um sequestro relâmpago, respectivamente - a última temporada que foi ao ar de On My Block apresenta mistérios um pouco mais profundos.


Grupo que protagoniza a terceira temporada | Foto: Divulgação

Terminamos a história com Monsie deixando o grupo, após terem se livrado da grande chefe dos Santos, que estava ameaçando a vida dos jovens. Monsie finalmente decide ir para uma escola particular, onde irá terminar seu Ensino Médio. A princípio, a jovem resiste muito, pois percebe que não se enquadra no estilo de vida das adolescentes brancas de classe média. Porém, com insistência de seu pai e Cesar, ela decide dar uma chance.


Monsie vai embora com a promessa de que o grupo permanecerá unido e livre de problemas. Mas, o que acontece a seguir é que é o ponto inédito da série. A narrativa nos leva para dois anos no futuro e nos mostra onde estão nossos personagens queridos.


Monsie continua na escola particular, bem incluída e parece ter deixado seus amigos antigos um pouco de lado. Ruby segue seu namoro com Jasmin e ele e Jamal não se falam mais. Inclusive, Jamal volta ao time de futebol da escola - nos deixando na dúvida se ele realmente se rendeu ao esporte ou está mentindo novamente, como na primeira temporada.


O destino mais doído é o de Cesar. Com a saída de seu irmão da chefia dos Santos - Oscar consegue construir a família que tanto queria -, o menino assume a liderança da gangue - tomando decisões importantes e distribuindo ordens. Como ele chegou lá? Há possibilidade dele sair dessa?


Os criadores da série já afirmaram que esse não é o final para eles. Se depender dos produtores, a série retorna para explicar como os amigos acabaram assim e mostrar como, de fato, eles irão ficar.


Mas, se pensarmos bem, On My Block sempre mostrou a realidade - de maneira fria e dura. O final da 3ª temporada nada mais é do que isso: a realidade da vida de tantos jovens que vivem à margem da sociedade. Apesar de diversas tentativas de estudar e se dedicar profissionalmente, como vemos em Cesar ao longo da série, isso nem sempre é suficiente. E traumas e perdas afastam amigos, já que nenhuma amizade é definitivamente eterna.


Por isso, por mais que adoraria ver um pouco mais dos personagens que tanto amo, acho que essa seria uma forma boa de terminar a série. Apesar de duro, aponta a verdade da vida, como a narrativa sempre se propôs a fazer.




____


Quer saber nossas impressões sobre diversas obras das mulheres na cultura? Cinema, música, literatura, teatro e muito mais. Tudo isso, duas vezes por semana, na categoria 'Crítica'.