5 filmes para assistir no Disney+

O Disney+ chegou ao Brasil em 17 de novembro e já conquistou o coração de muita gente! Com mais de 86,8 milhões de assinantes ao redor do mundo, a plataforma reúne conteúdos clássicos da Disney, filmes de super-heróis da Marvel e, ainda, conteúdos da Pixar, Star Wars e National Geographic.


E não para por aí! Seguindo o ritmo das gigantes do mercado de streaming – Netflix, HBO, Prime Vídeo, etc –, a plataforma também está investindo em produções próprias. Esse é o caso das séries WandaVision, The Mandalorian, High School Musical: The Musical: The Series e das produções Black Is King e Folklore: The Long Pond Studio Sessions.


Opção é o que não falta, mas a gente sabe bem como é difícil escolher o filme que vamos dar o play. Por isso, separamos uma lista com cinco filmes (e mais dois de bônus) para você assistir no Disney+. Preparada?



Viva – A Vida é uma Festa


Prepare os lencinhos porque esse é para chorar! O vencedor da categoria de Melhor Animação no Oscar 2018 não vai fazer você poupar lágrimas. Viva – A Vida é uma Festa – ou Coco, título original em inglês – é uma daquelas animações da Pixar que te deixam com uma crise existencial enorme para lidar depois do fim do filme. Na história, o jovem Miguel sonha em seguir os passos do seu ídolo, Ernesto de la Cruz, e se tornar um grande músico. Em busca dessa realização, ele vai passar na Terra dos Mortos e descobre que nem tudo é o que parece ser! O longa tem uma reflexão sobre família, amigos, afeto, espiritualidade e, claro, o tão temido futuro.



Lizzie Mcguire – Um Sonho PopStar


This is what dreams are made of! Quem não gritou e chorou ao som de Lizzie McGuire viveu a juventude errado. O filme Lizzie McGuire – Um Sonho de PopStar fez parte da adolescência de muitas meninas e instaurou o sonho de viajar para Roma, ser confundida com uma cantora super famosa e, de quebra, se apaixonar pelo namorado dela. Simples, né? No filme, a jovem Hilary Duff interpreta a Lizzie, personagem principal da trama, e se envolve em várias confusões durante uma excursão escolar para a Itália. Vale assistir para relembrar os bons momentos da nossa adolescência.



O Caldeirão Mágico


Esse filme não é nem um pouco óbvio, mas é uma das minhas animações favoritas da Disney. Assisti essa animação, ainda em VHS, muitas e muitas vezes e só anos depois fui descobrir que O Caldeirão Mágico ficou conhecido como “o filme que quase faliu a Disney”. De fato, a temática mais sombria e amedrontadora não combinava nada com os clássicos filmes de princesa que, praticamente, representavam a empresa. Embora o longa tenha ficado com esse estigma, reassistir ele foi como voltar para a minha infância e relembrar a história que me deixou sem sono por algumas noites. No longa, o jovem Taran precisa salvar o seu reino das garras do Rei de Chifres e seu exército de mortos vivos.



Black Is King


Se você assinou o Disney+ e ainda não assistiu Black Is King, você está fazendo tudo errado. O segundo álbum visual da cantora norte-americana Beyoncé é também um complemento de todo o trabalho executado pela artista para a construção da trilha sonora do live-action de O Rei Leão, que rendeu o álbum The Lion King: The Gift. A produção ganhou uma temática que valoriza a estética e a tradição de diversas regiões da África e, também, faz um paralelo com a história contada na animação da Disney. Na época de seu lançamento, o longa ganhou grande repercussão mundial e a atenção, principalmente da comunidade preta, se voltou para as inúmeras referências que a cantora faz ao continente africano e toda a sua riqueza cultural. Mais do que uma obra-prima, Black Is King é um reforço para fazer grande parte da população, finalmente, enxergar a África como um lugar plural e rico em cultura.



Pantera Negra


Eu poderia escolher qualquer um dos inúmeros filmes de heróis que estão disponíveis na plataforma, mas acho que nenhum deles tem o peso e a importância cultural que Pantera Negra teve. Em uma época em que vivemos inúmeros retrocessos, em que a população preta é massacrada diariamente pelos governantes e pela própria população branca e racista, ter um super herói que é um exemplo de representatividade para crianças e jovens pretos é mais que necessário. E, se não bastasse toda a sua importância de existir, o longa ainda conseguiu ser um sucesso de bilheteria e se tornou a primeira indicação da Marvel na categoria de Melhor Filme no Oscar. Na história o príncipe de Wakanda, T'Challa, precisa se reerguer após perder o seu pai e aprender a lidar com os poderes de ser o Pantera Negra.



Filmes bônus:


Soul


Foi difícil escolher entre Viva – A Vida é uma Festa e Soul para preencher a categoria “animações que fazem chorar em posição fetal” e, por esse motivo, decidi colocar o segundo como um bônus. Lançado no dia 25 de dezembro de 2020, a animação é um grande concorrente – se é que já não posso declarar o vendedor – para a categoria de Melhor Animação no Oscar deste ano. Bem, já era de se esperar que um filme da Pixar com uma mensagem bem forte (para os adultos) estivesse na corrida da premiação. De fato, Soul traz consigo uma carga dramática muito forte e, mais do que isso, durante todo o filme você espera que o final traga uma grande resposta e o que você recebe é uma grande interrogação.


A animação foi esperada por trazer um núcleo de personagens pretos para o centro da trama, dando mais protagonismo e trazendo mais representatividade. Após o seu lançamento, entretanto, alguns textos destacaram que embora o filme tenha sido bem feito e que é realmente importante construir mais personagens fora do “padrão”, a produção pecou em desumanizar Joe, personagem principal da trama, durante quase todo o filme (ele teve 10 minutos de cena sendo ele mesmo). Vou deixar linkado aqui um dos textos mais completos que li sobre o assunto, falando também sobre como o mesmo aconteceu em filmes como A Princesa e o Sapo e até Viva – A Vida é uma Festa. Vale lembrar que nenhuma problematização é demais e que podemos sim cobrar filmes mais inclusivos e que vejam minorias como personagens que valem a pena ter suas histórias contadas!



Folklore: Sessões no Long Pond Studio


Chega até a ser chato, mas eu não ia conseguir colocar um ponto final nessa lista sem indicar o Folklore: Sessões no Long Pond Studio. Se teve uma coisa que a Taylor Swift fez em 2020 foi deixar esse período de quarentena mais suportável para os seus fãs. Com o lançamento de dois álbuns – folklore e evermore – a cantora também nos presenteou com a gravação do seu encontro com Aaron Dessner e Jack Antonoff para performar (pela primeira vez, juntos) o folklore. A produção, que conta com a apresentação das 17 músicas da versão deluxe do álbum, também traz vários momentos de conversa entre os três que são mais detalhes de como foi gravar o álbum durante o isolamento social. Para quem é fã é uma ótima chance de ver versões inéditas das músicas e, claro, conferir a Taylor fora da sua caverna rs



Pronto! Agora você não precisa mais perder boa parte da sua tarde escolhendo qual filme vai assistir e pode gastar mais tempo assistindo aos filmes, de fato.

____


Listas com dicas selecionadas sobre filmes, séries, músicas, livros e peças teatrais. É nessa categoria que você descobre sugestões do que assistir nas plataformas de streaming ou o que fazer em um dia atoa em casa.